Seguidores

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Liberação da mulher feminina (!)



"Que de hoje em diante as mulheres vão sair pra trabalhar e os homens que vão ter os filhos"
Francisquinha contra o patriarcado!



Vendo essa entrevista com Oscar Maroni me peguei pensando como ainda temos discursos machistas travestidos de libertários e pela liberdade. Espero que o leitor não me entenda mal, não sou moralista com a prostituição ou com as prostitutas, meu problema é com um outro lado da história. Sexo é ótimo mesmo mas porque só para os homens? E as mulheres desses homens não tem tesão, desejos ou simplesmente não querem viver essas experiências? 
A coisa já começa naquele discurso parecido com quem é contra a liberação da maconha, que prega que supostamente o usuário de maconha irá usar outras drogas (quem toma suco de abacaxi vai querer tomar de tamarindo), ou no caso em questão, quem transa com a mulher hoje amanhã vai enjoar e terá que satisfazer-se com outra. O discurso depois torna-se inflamado, bonito, em defesa do sexo livre de tabus, da liberdade sexual (tão falada que temos hoje em dia), mas será? Por que não se fala em amor livre? No amor livre os dois tanto homem quanto mulher são livres para ter experiências e quem sabe compartilha-las , não há essa hipocrisia, não é preciso esconder nada, se é pra ser liberal e libertário por que não se libera geral? Na verdade faz todo o sentido se analisarmos bem, ele Maroni é o capitalista no sentido que ganha dinheiro com isso, nada mais justo do que incentivar e criar uma necessidade onde ela não existe (!), por isso que não se fala em amor livre, o sexo poderia ser de graça e para os dois (!), sem medo nenhum. Vendo dessa perspectiva o discurso bonito se transforma em algo conservador que serve para manter tudo como está e manter o "sagrado" casamento.
No nosso querido seriado, Francisquinha faz o seu discurso invertendo os papéis pré estabelecidos, quando diz que o homem tem o direito de se fazer de difícil, e também ao dizer que agora são os homens que vão ter os filhos. Apesar de parecer pouco é o contrário de um discurso conservador que coloca a mulher como uma mera coadjuvante de aventuras sexuais do marido. Antes (o contrário de adiante) Chiquinha diz que as mulheres não tem mais que pedir permissão para cometer as "barbaridades" que já cometiam antes quando não davam permissão (!) Pois sim, que todos façam coisas bárbaras então, os homens e as mulheres!  

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

As estatísticas e Olavo de Carvalho



" Sabia que cada vez que o Chaves respira morre uma pessoa na China"
Professor Girafales

Depois de testar as estatísticas do blog vou falar sobre essas "senhoras". Não tanto das estatísticas em si mas sim do uso que fazemos delas, de como usamos os fatos para argumentar e como nem sempre fatos nos levam a conclusões corretas.
Uso para isso a figura do controverso filósofo-astrólogo Olavo de Carvalho. A coisa já começa controversa diante de apenas citar o "astrólogo", pois muitos que o defendem e admiram no campo da filosofia acreditam que dizer que ele é astrólogo já é um sinal de preconceito com a sua pessoa e já indicam um texto tendencioso mas o caso é que sim, ele é astrólogo. Não sei se ainda exerce mas isso nunca foi negado, nunca houve uma retratação no sentido de uma desistência ou auto-crítica , na verdade isso revela o preconceito contra a astrologia de quem o defende (também há de quem não o defende), tida como uma desqualificação a sua pessoa, algo vergonhoso, coisa de gente supersticiosa e sem instrução. É bom dizer que no campo da astrologia há livros escritos por Olavo e muitos astrólogos o usam como referência mas enfim, aí já entra outra questão filosófica para quem admira seu trabalho como filósofo: e daí? E daí que o filósofo que você admira pratica algo que é tido como anti-filosófico? Aliás quem é que sabe o que se é ou não filosófico, a questão é: Fernando Pessoa é menos poeta por ter sido envolvido com astrologia?
Depois desse parentese vamos as famosas estatísticas, no episódio o nosso querido professor faz essa proposição de que cada vez que o Chaves respira morre uma pessoa na China. A questão não é questionar quanto a essa proposição mas sim a conclusão que o garoto Chaves tira dela que parando de respirar ele salvará da morte os chineses. Em um artigo Pedro Dória faz uma crítica num sentido parecido a Olavo de Carvalho que faz associações sobre o tema de Obama e sua certidão de nascimento, embora ao contrário de Chaves que tira e expõe sua conclusão parando de respirar, no texto de Olavo a conclusão fica no ar (de que Obama não é cidadão estadounidense e a certidão é falsa). Nos dois casos é exposto a velha falácia "post hoc ergo propter hoc" (depois disso, logo, por causa disso) , ou seja , depois que Chaves respira chineses morrem logo a morte dos chineses ocorrem por culpa da respiração do garoto. Depois que supostamente se esconde a nacionalidade de um candidato a presidência dos Estados Unidos logo ele quer destruir os EUA ou explodir Moscou (só faltou dizer que come criancinhas). Nesse ponto a filosofia além de ajudar para que não prendemos a respiração sem necessidade, seja com relação a chineses ou qualquer outra coisa, ajuda a nos tornar mais conscientes do simplismo presente em certos discursos.
Por fim digo que sempre tive curiosidade quanto ao filósofo-astrólogo, pois sempre ouvia a respeito da esquerda ser burra e dogmática em ignorar discutir a filosofia de Olavo, que há um preconceito pelo que ele representa, que por trás das paranoias e loucuras de se ver comunismo em tudo a esquerda ignora todo um tesouro de pensamento. Li pouca coisa e pra falar a verdade quis evitar a fadiga logo no começo (dizer que gays são moralmente corruptos, que a evolução é coisa de ateus comunistas, é fundamentalista e ridículo independente da erudição com que você fale isso) dos poucos artigos que li ou que consegui ler me fizeram chegar a uma diferente conclusão, a de que a "esquerda" é extremamente inteligente ao ignorá-lo. E quando se fala na experiência do próprio individuo não há o que se contestar. Há um texto em especial sobre Newton que tive o desprazer de ler que lança toda sorte de disparates , zombando , numa jactância de ignorante da ciência, distorcendo teorias científicas, colocando as novas descobertas da ciência como desqualificadora do físico. Qualquer cientista e produtor de conhecimento sabe que não existe verdade definitiva e Newton não foge a regra, não apresenta sua tese como verdade absoluta e sim justamente o contrário. Talvez o fato de Bolaños ter usado o exemplo da China poderia alimentar mais paranoias, talvez não, quem sabe...quem quiser tirar suas próprias conclusões fique a vontade de ir atrás do polêmico filósofo mas depois não digam que não avisei.

http://www.olavodecarvalho.org/semana/081117dce.html
http://omalfazejo2.wordpress.com/2008/12/01/olavo-de-carvalho-e-michael-moore/ (Pedro Dória rebatendo o artigo acima)
http://www.olavodecarvalho.org/semana/060615jb.html (artigo sobre Newton)


segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Carta aberta às pessoas privilegiadas

"Somente as pessoas ruins sentem prazer com o sofrimento alheio"
Seu Madruga

Compartilho esse interessante texto e já aproveito para testar as estatísticas de acesso :D
http://papodehomem.com.br/privilegiadas/

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Churruminos, Átomos e Demócrito (!)

"Estou caçando Churruminos" (Chaves de Abder...digo da Vila)




Eis que lembro de Demócrito de Abdera, esse pouco lembrado, ou melhor, mal lembrado filosofo antigo chamado erroneamente de pré-socrático - Demócrito é contemporâneo de Sócrates e viveu no mesmo período que Platão, portanto não se encaixa nesta denominação - muitos de seus escritos se perderam e há quem diga que propositalmente *, inclusive que Platão evitava cita-lo em seus escritos pela sua teoria materialista que ia contra o idealismo que Platão defendia em seus diálogos.  
Demócrito é tido como maior expoente da teoria atômica, teoria esta que afirma que tudo que existe é composto por pequenas partículas indivisíveis chamadas átomos. A teoria foi aprimorada na Grécia e hoje. A existência do átomo é admitida pela ciência e sabe-se que é possível dividi-lo, esta idéia apesar de tida como simples, sem maiores "metafísicas" engloba toda realidade e a explica com a concepção de que a matéria sempre existiu. Não há um momento de criação, um surgimento ou qualquer coisa do tipo a matéria simplesmente sempre esteve presente.
Além de ser conhecido como "o filosofo que ri" sua semelhança com Chaves está na imaginação aliada a percepção da realidade, segundo historiadores a teoria dos átomos foi concebida no observar do efeito da luz vista em poeiras (olhando assim contra a luz rs), daí se imaginou a existência de tais partículas mesmo sem os recursos de hoje em dia, talvez ainda achem os Churruminos, Xirilófos e outros que habitam a nossa imaginação e do Chavinho, mesmo que não enxerguemos tão claramente na realidade.

* Michel Onfray explica isso bem em seu primeiro Contra História da Filosofia